Proposta de discussão de "Cinismo e falência da crítica", de Vladimir Safatle

| | Comentários (16)
978-85-7559-118-5_big.jpg
Depois do debate memorável de ontem (aos participantes, vocês não imaginam o quanto lhes sou grato), é impossível não levar o Clube de Leituras adiante. Pensei em discutirmos Cinismo e falência da crítica, de Vladimir Safatle. O motivo da escolha é que o livro, não só se insere na mesma coleção, a "Estado de sítio", do Extinção, como aborda problemas correlatos, da perspectiva da crítica e da teoria. Sendo um adorniano heterodoxo, já que com um forte aporte lacaniano, Safatle vai mais a fundo na investigação do esgotamento das categorias tradicionais. Além disso, ele se propõe a analisar algumas saídas para o estado de coisas atual - tarefa que Antônio Barros nos propôs no último debate. Cinismo e falência da crítica teve uma recepção esquizofrênica pela Folha de S. Paulo quando foi lançado: o resenhista acusou Safalte de fazer uma salada de frutas teórica. Por mais que se discorde dos argumentos do livro, nada mais injusto: o autor mobiliza seu arsenal teórico adorniano-lacaniano para analisar propostas pós-estruturalistas. Acho que vale a pena lermos, pois marca uma inflexão de certa endogenia que marca a academia brasileira dos últimos anos. Safatle fez seu doutorado sob a orientação de Alain Badiou e participa ativamente do debate público brasileiro, tendo escrito recentemente sobre a assimetria entre Israel e Palestina  e a repressão policial aos estudantes da USP. Acho que rende uma boa discussão. Moysés Neto e Rodrigo Cássio já toparam. Mais alguém? Definiríamos a data em conjunto (só não posso de 12 a 23 de agosto). Ou sugerem outro livro?

Atualização (18 de julho de 2009): Confirmado o debate do livro do Safatle no dia 10 de setembro.

Atualização (17 de julho de 2009): Vale a pena ler essa interessante reflexão de Hugo Albuquerque sobre a blogosfera escrita a partir do debate do Extinção.

16 Comentários

Pode ser pro fim de agosto/início de setembro?


Hugo: seria o período perfeito pra mim.


Início de setembro seria perfeito. De qualquer forma, sendo o dia que for, eu estarei por aqui, participando ou apenas lendo os comentários e aprendendo com eles...


Acho a sugestão bastante instigante! (Ainda mais porque conheço um texto dele que dá um bocado de pano para manga). Início de setembro também me parece uma boa data!


Alexandre,

Beleza, então iniciozinho de setembro, que tal? Ademais, os links ficaram ótimos de cor.


"dessa cor" (bordô, não?)


Olá!
O debate sobre o livro de Antônio Barros foi excelente. Confirmo minha participação no do Safatle. Início de setembro também considero uma boa data!


Início de setembro seria perfeito, mas só se for depois do dia 7.


Que tal dia 10 de setembro?


Alexandre,

Ótimo. 10 de setembro.


Confirmo e espero arrastar mais pessoas para o debate, porque o livro é ótimo.

Não entendi o porquê da crítica na FSP do Evando Nascimento, que é um ótimo leitor de Derrida. Enfim...


Pode contar comigo por aqui novamente. Início de Setembro acho que viajo, mas dou um jeito de enviar mesmo assim. Abraço.


Por que a folha fez uma crítica esquizofrência ao livro?


Henrique: a razão eu não sei. Deve ser a briguinha boba uspianos x pós-estruturalistas. O resenhista, Evando Nascimento, que se encaixa no segundo time, basicamente acusou o livro de ser uma salada de frutas intelectual, quando o marco teórico de Safatle é nítido (ainda que se possa discordar dele): algumas das idéias que Evando Nascimento sugere que Safatle mistura são na verdade contrapostas pelo autor. Tive a impressão que o resenhista leu de má vontade. Mas, enfim, pretendo abordar isso na discussão. Preciso reler o livro, a resenha e o debate que ele rendeu na FSP. Abraço


Olá Alexandre,

O livro é ótimo e levanta um debate danado. Acho que não poderei participar como do outro Clube de Leituras -- estou perto do prazo final de entregar meu próprio livro! -- mas estarei aqui para acompanhar a discussão.
Abração


Página Principal

"Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado
em todas as línguas"

Alexandre Nodari

é doutorando em Teoria Literária (no CPGL/UFSC), sob a orientação de Raúl Antelo; bolsista do CNPq. Desenvolve pesquisa sobre o conceito de censura.
Editor do
SOPRO.

Currículo Lattes







Alguns textos

"a posse contra a propriedade" (dissertação de mestrado)

O pensamento do fim
(Em: O comum e a experiência da linguagem)

O perjúrio absoluto
(Sobre a universalidade da Antropofagia)

"o Brasil é um grilo de seis milhões de quilômetros talhado em Tordesilhas":
notas sobre o Direito Antropofágico

A censura já não precisa mais de si mesma:
entrevista ao jornal literário urtiga!

Grilar o improfanável:
o estado de exceção e a poética antropofágica

"Modernismo obnubilado:
Araripe Jr. precursor da Antropofagia

O que as datilógrafas liam enquanto seus escrivães escreviam
a História da Filha do Rei, de Oswald de Andrade

Um antropófago em Hollywood:
Oswald espectador de Valentino

Bartleby e a paixão da apatia

O que é um bandido?
(Sobre o plebiscito do desarmamento)

A alegria da decepção
(Resenha de A prova dos nove)

...nada é acidental
(Resenha de quando todos os acidentes acontecem)

Entrevista com Raúl Antelo


Work-in-progress

O que é o terror?

A invenção do inimigo:
terrorismo e democracia

Censura, um paradigma

Perjúrio: o seqüestro dos significantes na teoria da ação comunicativa

Para além dos direitos autorais

Arte, política e censura

Censura, arte e política

Catão e Platão:
poetas, filósofos, censores






Bibliotecas livres:



Visito:



Comentários recentes









Site Meter



Movable Type

Powered by Movable Type 4.1