julho 2009 Arquivo

Os jornais (agência EFE) divulgaram a notícia, ok. Mas só aqui no Quarentena há uma tradução eletrônica da carta dos comunistas de São Petesburgo enviada a Madonna, que trata sobre a sua apresentação na antiga Leningrado a ser realizada em breve. Entre outras reivindicações, o grupo pede que Madonna cante canções revolucionárias e que experimente a culinária russa. Versão original disponível no site http://kplo.ru/



madonna-russia2.JPG

[KKOMMUNISTY] TURNED TO THE MADONNA Press E-mail 28.07.2009 g. In connection with the assigned to the 2nd of August concert of madonna over the palace area, the Communists of Petersburg and Leningrad region turned themselves to west priest- wonder with the open letter: Madonna! You arrive to Russia and intend to sing over the palace area. We, Communists, although we are not the worshippers of your creation, recognize after you talent and popularity among the music lovers, and we also respect you for the sympathy to the children of Africa. And although many representatives of Russian of community issued a call to forbid your concert, we decided to relate by your arrival with restraint. Sing. Image However, you do understand, in what place you will sing, make counter on the head, bridge, be missed on the fifteen-meter metallic uvula and stare eyes?! These are not only the historical center of the most beautiful city of peace, this place, where occurred the Great October Socialist Revolution, the assault of winter, arrest by revolutionary soldiers and by the sailors of cursed provisional government. Specifically, here, where workers now erect your expensive [nekrizisnuyu] scene, began for the entire world 1917- m to year new era. And you must understand your responsibility, fulfilling [shlyagery] in this place. Here it is not possible to twirl [popoy], to be lightly dressed, to be twisted on six and to [privechat] [lesbiyanok]. It is necessary to dress modestly, to sing melodiously and to remember about the standards of morals. We greatly request you, madonna, to include in our repertoire over the palace area any revolutionary song in the honor of participants in the assault of winter. For example, boldly comrades into the foot, the international or you by victim fell in the fight of fateful. Well, or at least Marseillaise. In its time of Edith [Piaf] sang it on the cruiser the aurora and you at least from the principle must not yield to Frenchwoman. We propose to you to include cap with the red ribbon, seaman pea jacket, vest and Mauser in our stage cloakroom. And, the certainly Red Banner of labor. You be sequential to the end - indeed you compared [Makkeyna] with Hitler, scolded war in Iraq and praised Martin Luther King. Before the performance of revolutionary songs to you remained one step. And then we will arrive on your concert, if party payments are sufficient. We want to also directly express our criticism to you. You superficially approached the acquaintance with Russia. Instead of that word,withwhich you would turn herself to the Russian worshippers, better would learn name "Lenin" or USSR these words know in our country and it is old and the Mladas. Furthermore, us offends the fact that you you will bring with yourself your food. Russian kitchen is one hundred times better than the English, where one viscous bunting alone and cloying puddings. Try our pancakes, cabbage soups and fresh milk and you will understand, as much lost into [zhizni]" Bureaus of the Central Committee KP


youth.jpg





"OU, PELO MENOS, A MARSELHESA"


Eis aqui um resumo do texto que apresentei no último Congresso do Conselho de Pesquisa em Pós-graduação em Direito (CONPEDI). Como lá não há debate acadêmico nenhum, disponibilizo aqui um aspecto da idéia principal de minha dissertação para tentar publicizá-la de alguma forma.

 

Observa-se na teoria contemporânea do direito uma crescente tendência por uma busca de abertura com relação ao normativismo, o qual se fez muito presente na primeira metade do século XX. Tal abertura, por sua vez, não se dá de uma forma ausente de justificação, de teoria ou de necessária sistematização. Tanto na concepção tipicamente neoconstitucionalista quanto na teoria dos sistemas de Luhmann, entre outras, existe uma inegável preocupação com a flexibilização do ordenamento face às novas mudanças sociais, cujo ritmo cada vez mais se acelera de sorte que o direito de cunho estritamente positivista já não consegue acompanhá-las.

No entanto, enquanto novos modelos vêm sendo construídos no direito, não há uma necessária preocupação com o problema do excesso de mudanças dentro do próprio ordenamento, normalmente tidas como conseqüências naturais de um direito que pretenda dar respostas a uma sociedade em constante mutação. Contudo, até que ponto um direito pode querer absorver o ritmo das mudanças sociais de forma a conseguir manter a sua coerência e sistematicidade? Neste contexto, a inflação normativa é um termo que merece ser devidamente conceituado uma vez que, muito embora ela seja reconhecida, muito pouco sobre ela foi pensado. 

Sustenta-se que a inflação normativa, antes de dizer respeito apenas à criação excessiva de leis (inflação legislativa) ou mesmo à proliferação de normas de baixa hierarquia, como decretos, instruções normativas, etc, também deve considerar as próprias decisões judiciais e até mesmo os mais diversos atos administrativos. Isto, contudo, não implica criar uma tipificação conforme várias espécies ou modalidades diferentes de normas, já que o que pode servir como principal ponto de apoio para a sustentação deste conceito consiste em uma axiologia para cada caso específico, ou seja, normas ad hoc, noção abrangente o bastante para associar lei, jurisprudência e ato administrativo. Em outras palavras, o ponto de partida para se pensar a proliferação das normas passa a ser a imperatividade da decisão sem estar acompanhada de universalidade, o que faz da prática judiciária, principalmente a jurisprudência, algo cada vez mais casuístico.         

Muito embora se possa pensar que, quando o ritmo da sociedade se acelera, a produção de normas também deva aderir a uma nova velocidade, isto termina por criar uma espécie de ameaça à noção clássica de ordenamento, a qual é imprescindível mesmo aos maiores críticos do direito positivista.

excess_nou.jpgNo entanto, por mais que esta aceleração no direito possa hoje chamar atenção aos estudos dos juristas, seria forçoso pensar este fenômeno como algo exclusivo da época recente, como se algum dia houvesse existido um ordenamento jurídico perfeito e que conseguisse ter uma imperatividade que fosse completamente condizente com o mundo dos fatos. É por tal razão que a observação da inflação normativa como decadência do ordenamento seria uma conclusão precipitada enquanto não se observa a relação mesma que existe entre excesso de normas e ordenamento jurídico. O ordenamento em si, desde que se respeite os procedimentos de criação de normas não é formalmente ameaçado. O mesmo não se pode dizer da sistematicidade do ordenamento, a qual, como se demonstrará, é fonte de inúmeras manobrais intelectuais por parte da teoria do direito no sentido de manter um sistema, ainda que maleável. Cumpre, portanto, repensar a distinção entre sistema e acidentes desse mesmo sistema bem como sua relação aos fatos sem cair em um retorno nostálgico ao normativismo, o que seria uma desconsideração completa da preocupação dos autores contemporâneos da teoria do direito. Cumpre, portanto, estabelecer o que estas teorias que primam por um direito mais flexível e a um sistema mais genérico - um direito como construção - ameaçam os pressupostos mínimos de ordenamento jurídico, do qual não podem e nem querem dispor.

A teoria do direito do século XX esteve sempre pautada por um intuito de sistematização. Enquanto na primeira metade do século se observa um sistema fechado dentro da lógica da subsunção, na segunda, os sistemas passam a buscar uma maior abertura de critérios sob o pretexto de haver uma maior correspondência do direito com a dinamicidade da sociedade atual. Isto indica que o fenômeno da inflação normativa está diretamente ligado a uma tentativa teórica de se compreender o direito mesmo sob um processo de fragmentação em decorrência de uma proximidade aos fatos. Eis que , em vez de decadência do sistema, o conceito aqui proposto de inflação normativa - que não deixa de ser uma crise de legalidade - consiste em uma hiper-realização do sistema, como que o sistema para algo em particular e a cada vez. A suspeita que surge com essa imperatividade sem universalidade, no entanto, passa a ser a de que, além dos acidentes justificarem os sistemas, eles não são apenas uma novidade no mundo dos fatos que justifica a modificação do direito. A interação entre direito e fato é muito mais complexa do que se supõe. Não se trata somente de pensar que os fatos servem de obstáculo e ao mesmo tempo razão de ser do próprio direito. Ambos se influenciam mutuamente e a maior conseqüência disso é que a necessidade a que se apela para a suspensão ou modificação do ordenamento jurídico, a origem da inflação normativa, é, no mais das vezes, construída e não simplesmente dada.

A questão da inflação normativa, antes de ser buscada no número de leis ou na quantidade de decisões contra legem, portanto, é indiscernível da noção de sistema. Contudo, a questão deve ser deslocada de forma que o que seria tomado como deficiência do sistema jurídico passe a ser visto como uma parte dele e até mesmo um pressuposto, o qual pode se apresentar como grande quantia de normas de exceção ou mesmo em arbitrariedades por parte dos intérpretes. Dentro deste enquadramento, a inflação normativa que se deixa entrever por um direito cada vez mais tomado como construção, não pode mais ser tomada somente como desconstrução - avanço misturado a ameaça - necessária do sistema para que se abra uma desconfiança de que a própria necessidade pode ser construída, e que, em última instância, o excesso é exceção.

  

*imagem: Mandy Sand: Excess, Óleo sobre tela.

flamand.jpg

Eu tinha que trocar a data da minha passagem para vir embora para o Brasil dentro de alguns meses. O escritório para fazer esse procedimento ficava no centro de Bruxelas. Rua Welvengracht. Para facilitar as coisas pedi para uma grande amiga me explicar como chegar nesse endereço, cujo nome eu não conseguia nem mesmo pronunciar. Logo veio ela: "ah, você sai aqui pela rue d'Assaut e depois entra na Fossé aux Loups". Respondi: "ah bom, e depois onde fica a Welvengracht?" Tive a resposta de que a rua era a mesma. Como assim, a mesma, pensei. Era só uma questão de tradução, respondeu a querida belga. A rua era a mesma, somente mudava a língua. Até se pode pensar em alguma proximidade entre o termo francês "Loups" e o Holandês "Wolven", que se parece com "Wolves" do Inglês. Mas na minha cabeça, não fazia tanto sentido. Depois eu tirei a passagem sem problema algum. Já nem me lembro de como era a rua. Para falar a verdade, nem me lembro de como foi tudo lá no dia. Mas nunca me esqueci dos "dois" nomes da Rua. Na curiosidade, procurei algumas imagens de lá. Não tive muitas, até porque ela  não tinha nada de espetacular, nem mesmo o fato de ter dois nomes, ou melhor, um nome em duas línguas, porque todas as ruas da capital da Bélgica se traduzem da mesma forma. Mas achei duas imagens bem interessantes.

  

Uma é a de um projeto de um pequeno jardim suspenso para uma das esquinas de Wolvengracht e outra delas é a de um restaurante de um hotel atual que já tem ares de jardim suspenso, como em Babel. (Não fazem uma Torre porque em geral Bruxelas não permite os arranha-céus) O problema dessa rua é que eles pensam que, como a Bélgica, o lugar é o mesmo e que somente há uma mudança de língua, tradução portanto. Essa conseqüência vem recentemente trazendo maiores conseqüências. A pior delas é o fato de que a Bélgica é um país com tensões lingüísticas terríveis e está quase a prestes de se separar. Isto na capital da União Européia, que era para ser o maior exemplo do funcionamento da razão comunicativa de Habermas. De fato é, porque há toda uma pompa de diálogo por uma união de povos quando no próprio país sede a quase milenar Universidade de Louvain teve que se separar em campus francófono e campus neerlandófono (supostamente um lugar que era para ser bastante racional e comunicativo) em razão das brigas violentas entre os seus estudantes. Já houve inclusive algumas propostas de separar o campeonato de futebol em duas línguas. 

Fosse1.jpg

(Projeto de Jardim Suspenso na rua Fosso dos Lobos. Fonte: http://www.archiborescence.net/archiborescence/2150/J-V-Loups.html) Abaixo foto do Hotel Radisson Blu Royal Hotel, também lá. Detalhe nas plantas suspensas.


fosse2.jpg

A tradução é impossível, mas terei de fazer um esforço com ela

ara tirar as últimas conclusões. "Fossé aux Loups", em português poderia ser "Fosso dos Lobos" ou "Fosso aos Lobos", para ser mais literal. Poço e lobo. Hoje o projeto europeu pensa no poço. Mas parece que estão nele em busca de uma arca que apenas desconfiam ou às vezes tentam sair dele para poder ver o céu. Há uma busca pela unidade ausente na idéia de uma materialidade impossível, mas traduzível. Em vez de se pensar puramente a partir do poço, e tentar se acostumar com ele, procura-se sair pelo apelo à origem, à língua, ou mesmo a coletividade. A idéia de um Estado verdadeiro com diversas versões é um tipo de guerra, que nem mesmo depende de aparato estatal para funcionar. Aqueles que não ajudam a cavar mais o fosso (nacionalistas, neonazistas) ou a construir a escada (habermasianos), não  têm vida fácil não. Seus colegas humanitários ou nacionalistas têm lá suas sanções. Mas, enquanto não se separa ou une de vez a Bélgica, enquanto se discute muito nos escritórios europeus e, sobretudo, se traduz muito em Bruxelas, lembro que lá também fica a sede da OTAN, mas nessa última nunca ouvi falar sobre problemas de comunicação não. Nem nas relações comerciais. Os militares são bem mais pragmáticos. O mercado também.


Magritte.jpg



|

IMAG0108a.jpg

Grafite no dentro de Florianópolis-SC

Fotografia de Paulo Barral

Essa acaba de sair no Estadão e merece destaque, já que demonstra a que ponto de desespero chegou a tucanagem e a mídia.

FHC diz estar disposto a ampliar diálogo com Lula

RENATO ANDRADE - Agencia Estado

terça-feira, 7 de julho de 2009

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se mostrou disposto a ampliar o diálogo com o governo Luiz Inácio Lula da Silva, mas disse que a iniciativa tem de ser tomada por quem está no Poder. Durante a solenidade de comemoração dos 15 anos do Plano Real, no plenário do Senado, o líder do PT na Casa, Aloizio Mercadante (SP), defendeu uma conversa frequente entre Lula e FHC. "Quem pode dizer ''vamos juntos'' não sou eu, é quem está por cima", respondeu Fernando Henrique. "Quando estive por cima, eu tentei", acrescentou, referindo-se às tentativas de diálogo com o PT durante seus dois mandatos.

 

Será que FHC ou os jornais tucanos perderam a noção do ridículo?

 

 

Lulafhc2.JPG

                                  "... Jesus,  o que é que essa mala vai querer dizer agora ..."

 

Quando alguém nos pergunta se vamos bem quando nos encontra na rua, por politesse, respondemos de pronto: "Tudo vai bem e com você?" Ou seja, ainda que a vida esteja um caos, dizemos umas mentirinhas para não ser desagradáveis, mesmo quando aquele que nos interpela é uma "mala". E depois disso vai cada um pro seu lado pensar em outra coisa e levar sua vida. Parece, no entanto, que o Fernando Henrique levou completamente a sério a sugestão palaciana de Mercadante, achando que os petistas estão morrendo de vontade em escutar as palavras de sabedoria do PSDB. Mais do que isso, o presidente aposentado tem um ego tão grande e ridículo que acha que sua companhia é um privilégio ou que o país estaria melhor com seus conselhos. Tudo bem, até concordo que por política ou politesse alguns encontros intrapartidários possam ocorrer, mesmo que por puro espetáculo. Daí essas fotos de Dilma com Serra, Lula com Sarney, Heloísa Helena com ACM, etc. Mas achar que mala do FHC seja uma figura política atualmente proeminete é cômico demais.