THE MAD DOCTOR

| | Comentários (1)
De um lado, o descolado...


FHC-maconha.JPG




Ex-presidente da República THC, na 3ª Reunião da Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia defende a descriminalização da maconha. Diz o aposentado que "Nosso objetivo é abrir o debate para acabar com o tabu. Essa história de guerra contra as drogas não resolve. É preciso ter outras ações que levem à redução da demanda".











Enquanto isso, no plácio da justiça...


mad doctor.jpg

Super José Serra está mais do que nunca empenhado na GUERRA CONTRA O TABACO, que remonta desde a sua permanência no Ministério da saúde. O governador conseguiu que a Assembléia Legislativa de SP aprovasse o projeto de Lei que proíbe o cigarro em ambientes fechados, desde fumódromos em restaurantes até casas noturnas. O bom é que ela vem para salvar os próprios fumantes. Vitória da Medicina. Para saber exatamente o que e onde fica proibido clique aqui.









E como se não bastasse...


trakinas-kid.JPG

"Vou querer três. Mas é da boa?" "Tás me chamando de ladrão seu f*&ho da p#%a ?" "Não, não, me vê logo então... Quanto dá" "ta um real cada bolacha". Joãozinho, da terceira série, cuja mãe não permite que ele se perca na vida e acabe com sua saúde, apela a Pedrinho, da quarta, para comprar clandestinamente algumas bolachas que ele consegue trazer ao recreio. O cenário já é completamente possível com a aprovação por unanimidade no dia 15 de Abril de 2009 pela Assembléia Legislativa de São Paulo do projeto de Lei 1356/07, o qual proíbe a venda de refrigerantes, coxinhas e bolacha recheada nas cantinas das escolas. Trata-se de uma proibição de alimentos com baixo valor nutricional ou que contenham substâncias maléficas à saúde, como a gordura trans. Uma boa forma de se ensinar  responsabilidade as crianças: não pode e pronto. O que deveria vir de casa e ser um progressivo ensino de moderação, acaba por ser um novo decreto que pretende impor a saúde goela abaixo. As autoridades esqueceram o porquê das crianças gostarem de biscoitos ou refrigerante: comem porque é saboroso. Quem não gosta de algo que sacia o paladar? Estaremos salvando as crianças de seus apetites? Não. Eles continuarão lá. É ilusório pensar que se pode proteger seres humanos de serem humanos e assustador observar que a cada dia essas políticas sanitaristas se mostram mais evidente.. Por um lado, coloca-se um cardápio na escola que prima somente pela científica classificação de valor nutritivo ou pela utilidade do alimento. Pois bem: NÃO  SE VIVE APENAS DE NECESSIDADE. Ao contrário dos bichos, que vivem bem com ração (que controla os nutrientes), não creio que submeter pessoas a um cardápio regulado desenvolva seu senso de responsabilidade ou que respeite a sua dignidade de buscar comer algo mais agradável do que o estritamente necessário. Agora elas não podem comer "porcarias" dentro dos muros da escola. Mas nada as impede de ir comprar no bar da próxima esquina na saída. E, sobretudo, não se retira o desejo delas. A estratégia então se converte em nem mesmo deixar conhecer algo que possa desviá-las do caminho certo, da saúde. Um outro cenário sombrio: talvez iremos ver surgir o tráfico do biscoito recheado no recreio de escolas cada vez mais saudáveis. Uma transgressão dos pequenos para que possam continuar a ser gente, tal como os jovens do Irã trapaceiam os aiatolás para poder ter o mínimo de bebidas em festas. A não! Já dei mais uma idéia para o Médico Maluco! Melhor parar por aqui...





1 Comentarios

Risos. Muito bom o post. Dá uma visitada no Vistos e escritos, tem um texto interessante lá que aborda a relação entre política e religiosidade em Glauber; já comentei por lá, mas acho que v. pode dar mais elementos pra discussão. Abraço