Sopro 42: inéditos de Veronica Stigger

| | Comentários (7)
capa42.gif
O Sopro 42 está no ar com Pré-histórias, 2 (censuradas & extemporâneas), fragmentos inéditos de Veronica Stigger, sem dúvida uma das melhores ficcionistas brasileiras em atividade. Já havíamos dedicado o Sopro 31 integralmente a ela, publicando um fragmento e duas resenhas de seu mais recente livro, Os anões.

Com esse número, acredito que o Sopro fecha com chave de ouro o ano de 2010, que começou com a tradução de um texto de Josefina Ludmer essencial para a compreensão da literatura contemporânea. Durante o ano, tivemos edições muito boas, como a dedicada a Emanuele Coccia, autor de A vida sensível; os dois números voltados ao debate sobre a Lei de Anistia; e o Sopro 32, que conta com uma entrevista inédita com Sergio Chejfec, seguido da republicação de um fragmento de Idelber Avelar sobre o escritor argentino.

Ao longo do ano, o Sopro publicou material de arquivo, como os fragmentos sobre Mito e Linguagem, de Furio Jesi; o lindo texto de María Zambrano; e a conferência proferida por Carlos Astrada. Publicou também traduções de textos contemporâneos excelentes, como o sobre a linguagem cinematográfica, escrito por Silvia Schwarzböck; o de Didi-Huberman sobre uma exposição voltada à temática do Atlas, etc. Foram publicadas nove resenhas, especialmente de livros de literatura (e crítica literária) contemporânea, mas também de livros de filosofia. Nosso Dicionário crítico se enriqueceu, incluindo um verbete de Giorgio Agamben, provavelmente o autor mais traduzido no Sopro (e já temos mais dois textos traduzidos dele para publicação nos primeiros números de 2011).

Junto com a Flávia Cera, com quem co-edito o Sopro, gostaria de agradecer a todos os leitores e colaboradores (especialmente o Eduardo Sterzi, que, com suas sugestões, traduções, textos e contatos com outros autores, ajudou muito a enriquecer a publicação) pela ajuda na divulgação, pela paciência com os atrasos, mas principalmente pela leitura de nosso panfleto político-cultural. Não há escrita sem o trabalho infinito da leitura. Não há mundo sem a hipertextualidade que caracteriza o pensamento, aquela potência comum que torna a espécie humana imortal.

7 Comentários

Longa vida ao Sopro!


Longa vida ao Sopro! [2]


olá
procuro o livro Vida Sensível de Emanoele Coccia.
como consigo?
ab


Que 2011 continue no belo ritmo. Repito os amigos ali de cima: Vida longa ao Sopro!


Caros Paulo, Hugo e Rodrigo: obrigado pelo apoio! Esperamos mais colaborações de vocês. Abraços


Caríssimo Nodari, queria apenas parabenizá-lo pelo brilhantismo e densidade dos seus textos, pelo menos os que já pude ler e que não obstante terem substantivamente o meu desacordo (diga-se desacordo doutrinário e teleologico) devem ser reconhecidamente enunciados por mérito!!
Há esperança no Brasil quando conseguem continuar a produzir vibrantes comunidades intelectuais!!
Um bem haja para si


Página Principal

"Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado
em todas as línguas"

Alexandre Nodari

é doutorando em Teoria Literária (no CPGL/UFSC), sob a orientação de Raúl Antelo; bolsista do CNPq. Desenvolve pesquisa sobre o conceito de censura.
Editor do
SOPRO.

Currículo Lattes







Alguns textos

"a posse contra a propriedade" (dissertação de mestrado)

O pensamento do fim
(Em: O comum e a experiência da linguagem)

O perjúrio absoluto
(Sobre a universalidade da Antropofagia)

"o Brasil é um grilo de seis milhões de quilômetros talhado em Tordesilhas":
notas sobre o Direito Antropofágico

A censura já não precisa mais de si mesma:
entrevista ao jornal literário urtiga!

Grilar o improfanável:
o estado de exceção e a poética antropofágica

"Modernismo obnubilado:
Araripe Jr. precursor da Antropofagia

O que as datilógrafas liam enquanto seus escrivães escreviam
a História da Filha do Rei, de Oswald de Andrade

Um antropófago em Hollywood:
Oswald espectador de Valentino

Bartleby e a paixão da apatia

O que é um bandido?
(Sobre o plebiscito do desarmamento)

A alegria da decepção
(Resenha de A prova dos nove)

...nada é acidental
(Resenha de quando todos os acidentes acontecem)

Entrevista com Raúl Antelo


Work-in-progress

O que é o terror?

A invenção do inimigo:
terrorismo e democracia

Censura, um paradigma

Perjúrio: o seqüestro dos significantes na teoria da ação comunicativa

Para além dos direitos autorais

Arte, política e censura

Censura, arte e política

Catão e Platão:
poetas, filósofos, censores






Bibliotecas livres:



Visito:



Comentários recentes









Site Meter



Movable Type

Powered by Movable Type 4.1