debateanistia.png
Na contramão do resto da América Latina, o Brasil optou, em recente decisão do Supremo Tribunal Federal, por "esquecer" juridicamente o Terror de Estado praticado pelos agentes da nossa mais recente ditadura. Que camadas de sentido se sobrepõem nesta decisão? O que ela revela sobre a persistência da ditadura em nossas instituições? Que concepção de Estado e de Direito ela encerra?


Murilo Duarte Costa Corrêa

Alexandre Nodari

Visualização: HTML | PDF | FLASH


Excelente evento pra quem estiver em São Paulo entre 13 a 15 de maio (clicando na imagem, dá de vê-la ampliada).

programa_Exílio.jpg



Aos interessados em História Ambiental, ao impacto das migrações humanas nos ecossistemas (e vice-versa), bem como aos distintos modos culturais de concepção e relação com a natureza, recomendo o evento Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações, que acontecerá de 13 a 15 de setembro aqui em Florianópolis. As inscrições de trabalhos vão até segunda, dia 3 de maio.

Sopro 26

| | Comentários (0)

sopro26.gif

O Sopro 26 está no ar, com Metropolis, intervenção de Giorgio Agamben em um seminário sobre a multidão e a metrópole, realizado em Veneza, em 2006, e com o verbete Intrusos (II), de Jonnefer Barbosa.

Visualização: HTML | PDF | FLASH


Sopro 25

| | Comentários (0)

O Sopro 25 está no ar, com "Mensagem no Di Tella", panfleto escrito por Roberto Jacoby e distribuído no Experiências 68, no Instituto Di Tella em Buenos Aires, 1968 - a tradução foi feita por Flávia Cera; e "Um requiém para a escrita?", resenha de A escrita, de Vilém Flusser, feita por mim. Disponível em três formatos: HTML | PDF | Flash

Recentemente, foi lançado, pela Boitempo, O que resta da ditadura, organizado por Edson Telles e Vladimir Safatle. Os artigos dos livros apresentam várias faces da persistência do entulho autoritário. A meu ver, uma das principais - não sei se abordada no livro, já que não terminei a leitura ainda - é a lógica binária do Terror, que produz uma cisão no interior do povo (e, no limite, no interior do próprio sujeito) entre amigo e inimigo, e em que qualquer gesto que tenha a possibilidade mínima de ressoar como falta de engajamento é encarado como hostilidade e conivência. (Sobre o assunto, Ana Longoni escreveu um excelente livro, Traiciones, no qual mostra como sobreviver a um regime bárbaro e testemunhar contra ele pode ser lido como um sinal de traição pela resistência). Por isso, a ditadura permanece não só quando Agripino Maia vê uma imoralidade no fato da Dilma ter mentido sob tortura, mas também quando um "intelectual" petista compara o exílio do então presidente da União Nacional dos Estudantes José Serra a um "abandono" da resistência ou quando um blogueiro, que acha que auto-crítica é criticar os outros, afirma que Caetano Veloso foi preso pela ditadura porque quis aparecer (pois deveria ter se exilado antes). A lógica da ditadura, a lógica do Terror, faz ver ameaças por todo o lado. Diante do outro, só vê duas opções - amigo ou inimigo. Invocá-la para fins eleitorais não é só perversão. É, daí sim, conivência com um modo terrorista de pensar.

P.S.: Pra que fique claro: uma Comissão da Verdade (ou melhor, a punição dos torturadores e da cadeia de comando que vai deles até o alto escalão - basta ler as atas das reuniões do Conselho de Segurança Nacional pra que fique claro o quão ciente ele estava do que ocorria no país) NÃO segue uma lógica do Terror. Esta lógica é produzida intencionalmente, é fruto de uma decisão. A lógica do Terror se impõe aos sujeitos (e é internalizada neles) através de um imenso aparato, que vai do discursivo-censório ao policial-torturador. A identificação dos agentes instituidores e mantenedores desta lógica é essencial ao seu desmonte.


Sopro 24 (e 23)

| | Comentários (0)

O último número do Sopro está no ar, com "A resistência passiva no altiplano", texto de Flávio de Carvalho escrito em 1947. 

No número anterior (23), publicamos Caráter, verbete de Emanuele Coccia; uma resenha, escrita por Flávia Cera, de A vida sensível, escrito pelo mesmo filósofo italiano e publicado pela editora Cultura e Barbárie; e uma teses minhas sobre a política, que já haviam aparecido aqui no blogue.


tumblr_l00hshdkGL1qai24po1_500.jpg

Educação


"As pessoas não querem vingança e, sim, justiça"
(Francisco Cembranelli, promotor, durante o julgamento dos Nardoni - Fonte)

Legenda
"Se o Nardoni não for condenado, a gente mata ele aqui fora"
(Um dos participantes do circo, ou auto-da-fé, montado do lado de fora do Fórum onde ocorria o julgamento - Fonte)


"Cotas raciais - Acreditem: um juiz decidiu cumprir a Constituição!!!"
(Reinaldo Azevedo, em seu blog, no dia 30 de novembro de 2007, referindo-se ao juiz Carlos Alberto da Costa Dias, que, em decisão judicial de 29 de novembro de 2007, concedeu liminar cancelando as cotas na Universidade Federal de Santa Catarina).

Legenda
"Determinada aposentadoria compulsória de juiz federal de SC por falsificação e uso de documento falso"
(Notícia fresquinha, referente ao mesmo juiz que "decidiu cumprir a constituição" - Fonte)


Postagens mais recentes 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Postagens mais antigas
Página Principal

"Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado
em todas as línguas"

Alexandre Nodari

é doutorando em Teoria Literária (no CPGL/UFSC), sob a orientação de Raúl Antelo; bolsista do CNPq. Desenvolve pesquisa sobre o conceito de censura.
Editor do
SOPRO.

Currículo Lattes







Alguns textos

"a posse contra a propriedade" (dissertação de mestrado)

O pensamento do fim
(Em: O comum e a experiência da linguagem)

O perjúrio absoluto
(Sobre a universalidade da Antropofagia)

"o Brasil é um grilo de seis milhões de quilômetros talhado em Tordesilhas":
notas sobre o Direito Antropofágico

A censura já não precisa mais de si mesma:
entrevista ao jornal literário urtiga!

Grilar o improfanável:
o estado de exceção e a poética antropofágica

"Modernismo obnubilado:
Araripe Jr. precursor da Antropofagia

O que as datilógrafas liam enquanto seus escrivães escreviam
a História da Filha do Rei, de Oswald de Andrade

Um antropófago em Hollywood:
Oswald espectador de Valentino

Bartleby e a paixão da apatia

O que é um bandido?
(Sobre o plebiscito do desarmamento)

A alegria da decepção
(Resenha de A prova dos nove)

...nada é acidental
(Resenha de quando todos os acidentes acontecem)

Entrevista com Raúl Antelo


Work-in-progress

O que é o terror?

A invenção do inimigo:
terrorismo e democracia

Censura, um paradigma

Perjúrio: o seqüestro dos significantes na teoria da ação comunicativa

Para além dos direitos autorais

Arte, política e censura

Censura, arte e política

Catão e Platão:
poetas, filósofos, censores






Bibliotecas livres:



Visito:



Comentários recentes









Site Meter



Movable Type

Powered by Movable Type 4.1